22.11.2014

7 diferenças curiosas de uma brasileira grávida nos EUA

Mamães & Papais, registros especiais, To Grávida

São muitas as diferenças entre ter um bebê no Brasil e nos EUA. Algumas são beeem polêmicas e rendem discussões grandes…rsrs Outras são apenas questões culturais. Mas a verdade é que as diferenças causam espanto por aqui e por lá…

Vejam algumas diferenças curiosas que a gravidinha brasileira Fernanda Hession, que mora em New Jersey, nos EUA, contou pra gente. Claro que não podemos generalizar, essas foram as percepções dela e podem ser diferentes de Estado pra Estado né…

Alguém aqui mora fora do Brasil e tem mais curiosidades? Escrevam nos comentários! ;-)

gravida eua

 1- DESCOBRIR O SEXO DO BEBÊ

Minhas amigas no Brasil com 8-9 semanas já sabiam o sexo do bebê que iriam ter, pelo teste de sangue de sexagem. Eu tive que esperar até completar 16 semanas e ver no ultrassom. Eles nem conhecem esse exame de sangue e a única forma de descobrir antes nos EUA é se você tiver uma gravidez super de risco. Nesses casos, eles fazem um exame de sangue do seu DNA para descobrir alguma anomalia (geralmente para pessoas mais velhas) e esse exame de sangue acaba mostrando o sexo do bebê antes, mas só conheci uma pessoa que fez isso, a maioria não faz nem ideia que existe isso. Nossa espera pela surpresa realmente e looooonga!!

2- VISITA AO MÉDICO

Essa eu não sei se tem tanta diferença, de repente o tempo da consulta. Eu estou com 19 semanas então só vejo o médico a cada 4 semanas. Minha médica não faz ultra no escritório a não ser que ela não consiga escutar o coração do bebê. Geralmente chego lá, a enfermeira me pesa, tira minha pressão e depois vem a médica e diz se está tudo bem, eu faço as ultras numa clinica especializada então eles mandam os resultados para ela e ela da um ok. A visita leva no máximo 10-15 minutos.

3- PARTO

Nos EUA cesárea marcada não existe. Lá eles te dão o seu “Due Date” e você realmente tem que esperar o dia que seu filho tiver que nascer. Nada programado. A única coisa que eles fazem é se passar 1 semana do seu “Due Date” geralmente eles não deixam passar das 41 semanas, então o parto é induzido. Cesárea lá é levada realmente como última opção e não primeira. Cesárea só quando tiver algum risco ou depois de tentar o parto normal e não tiver sucesso. Eu não posso generalizar isso, mas sei que todas as minhas amigas americanas passaram por isso e minha médica também não me dá outra opção o que eu entendo e concordo, quero parto normal. Mas sei que em comunidades Brasileiras alguns médicos podem aceitar a cesárea sim, mas a norma é que não, só emergência e nada de parto com dia certo marcado.

4- AMAMENTAÇÃO

Ela é encorajada nos hospitais, eles até dão aulas para você aprender a amamentar, mas a realidade é que muita, mas muita americana não gosta. Acho que isso é muito cultural. Muitas amigas minhas lá não amamentam por pura vaidade, e a principal queixa delas é a dor. Elas também têm muito pudor em amamentar em público, não fazem de jeito nenhum. Eles até vendem nas lojas de bebê um avental que você se cobre para amamentar em público. Isso é algo que me choca porque sempre fui acostumada aqui no Brasil em ver as mães amamentando em todos os lugares.

5- LICENÇA MATERNIDADE

Isso eu tenho que comparar aqui. A licença maternidade nos EUA é de geralmente 6 semanas (menos de 2 meses). E na maioria dos lugares elas não são remuneradas  ou quando são você ganha em torno de 60% do seu salário. Isso depende de empresa para empresa. Eu dou sorte de receber uma licença integral, 100% paga por 3 meses. isso e considerado realmente um luxo. Acredito que isso até influencie o fato da amamentação não ser tão prioridade, imagina que a mãe não tem muito tempo de ficar em casa, a não ser que opte em não trabalhar, o que acontece muito.

6- BANHO EM RECÉM-NASCIDO

Essa eu descobri há pouco tempo quando estava fazendo a lista do enxoval. Eu muito preocupada em escolher a banheirinha certa para colocar na lista e a menina da loja disse que não era para se preocupar porque recém-nascido não toma banho até completar 1 mês. Fiquei em choque e ela explicou que só passa um paninho umedecido porque não pode dar banho até o cordão umbilical cair. Fui perguntar para outras amigas americanas e elas confirmaram. Achei esquisito já que meus pais sempre deram banho em mim desde a maternidade, essa realmente foi uma curiosidade que descobri.

7- FURO NA ORELHA

Não tem jeito, se você tem uma menina pode esquecer que eles não vão furar a orelha no hospital e nem tão cedo. Geralmente eles esperam quase 1 ano para furar, mas tenho amigas que conseguiram furar a orelha da filha numa joalheria com 6 meses de idade. Eles acham uma maldade isso. No Brasil parece que também não furam mais na maternidade como faziam antigamente, mas é comum furar logo nos primeiros meses, bem diferente do que nos EUA.

gravida eua3

gravida eua2

 

20.11.2014

Ensaio fotográfico de irmãos

Mamães & Papais, registros especiais

‘Ter um irmão é ter, pra sempre, uma infância lembrada com segurança em outro coração.” (Tati Bernardi). Concordam? Essa frase é linda, né?

Vejam a seleção de fotos incríveis que montamos de irmãos. Fotos emocionantes e inspiradoras desse amor puro e verdadeiro! Confiram:

newborn irma 1

newborn irmao 1

newborn irmao 2

(Fotos: Helena de Guide fotografia)

newborn irma 3

newborn irmao 4

newborn irma 2

big sis lil bro

irmao-2

irmaos

irmaos3

(Fotos: Pinterest)

17.11.2014

Banho de sol para bebês

Bebês, Cuidados Diários, Saúde

Hoje a coluna da nossa parceira dermatologista, Thatiana Blumenberg, é sobre o banho de sol para bebês, fundamental para o desenvolvimento dos nossos pequenos, mas que exige uma série de cuidados.

Apenas alguns minutinhos por dia – com os devidos cuidados, claro! – já ajudam a ativar a vitamina D e aumentar o depósito de cálcio nos ossos dos bebês. Confiram todas as informações e curtam um banho de sol delicioso com os pequenos!

banho de sol

Olha o banho de sol… – por Thatiana H. Blumenberg

Quando o bebê nasce e é amamentado ele recebe vitamina D pelo leite da mãe. E é através da exposição solar que essa vitamina pode ser ativada e assim aumentar o depósito de cálcio nos ossos, fundamental para o desenvolvimento dos babys.

O banho de sol oferece muitos benefícios para os pequenos, mas é preciso ter cautela. Já nos primeiros dias de vida, os pediatras, em geral, liberam que o bebê tome um pouquinho de banho de sol (consulte o seu pediatra). Bastam 5-15 minutos diários, antes das 10h ou depois das 16h, e nada de filtro solar antes dos 6 meses (isso mesmo! Já me explico!).

O bebê pode tomar sol com roupas leves e evitando a exposição na cabeça e no rosto. Até em dias mais frios é importante dar banho de sol nas mãozinhas e pezinhos. Antes dos 6 meses não é indicado o uso de filtro solar, pois até mesmo os de criança podem causar alguma alergia ou sensibilização na pele frágil do bebê. Nessa fase a proteção solar indicada é através de roupas e chapéus…algumas lojas vendem tecidos especiais com proteção UVB.

Atenção: A exposição exagerada predispõe a problemas como desidratação e brotoejas. Nunca prolongue demais a exposição direta do bebê ao sol.

Após os seis meses, os melhores protetores são os específicos para crianças, como:

  • Anthelios Pediatrics FPS60,
  • Mustela Mineral FPS 70
  • Epsol Infantil FPS 50
  • Eucerin Kids FPS 60.

Bom, use mas não abuse do sol!

Dra. Thatiana H. Blumenberg
Consultórios: Ipanema (tel.:3322-1038) /Laranjeiras (tel.: 2125-6920) / Barra (tel.: 3385-4597) thbdermatologia@gmail.com  / Instagram: @THBdermatologia

Page 1 of 7412345